Morre o ator Paulo Gustavo, aos 42 anos, vítima da covid-19



Ator, humorista e diretor estava internado desde o dia 13 de março por causa de complicações do novo coronavírus  


Ator, humorista, diretor e roteirista, Paulo Gustavo morreu nesta terça-feira, 4, aos 42 anos em decorrência de complicações da covid-19 . Paulo Gustavo estava internado desde o dia 13 de março, em um hospital no Rio de Janeiro - ele foi intubado menos de 10 dias depois da internação.

O ator, que passou a maior parte do tratamento em estado muito grave, havia apresentado alguma melhora no fim de semana. No domingo, 2, porém, ele teve uma embolia, insuficiência cardíaca e lesões cerebrais devido a uma fístula broncovenosa, uma espécie de abertura entre os pulmões e as veias.

"Às 21:12h desta terça-feira, 04/05, lamentavelmente o paciente Paulo Gustavo Monteiro faleceu, vítima da covid-19 e suas complicações.  Em todos os momentos de sua internação, tanto o paciente quanto os seus familiares e amigos próximos tiveram condutas irretocáveis, transmitindo confiança na equipe médica e nos demais profissionais que participaram de seu tratamento.  A equipe profissional que participou de seu tratamento está profundamente consternada e solidária ao sofrimento de todos.", diz o o último boletim médico divulgado pelo hospital.

Cerca de duas horas antes, a equipe média havia emitido um outro boletim informando que "o estado de saúde de Paulo Gustavo estava se deteriorando de forma importante" e que embora os sinais vitais do ator ainda existissem, o quadro era irreversível.

Trajetória de Paulo Gustavo
Paulo Gustavo Amaral Monteiro de Barros nasceu em Niterói, Rio de Janeiro, em 1978. Ele pertence a uma geração de comediantes que se formaram na Casa de Artes de Laranjeira, a CAL, no Rio, como Fábio Porchat e Marcus Majela, entre outros. Seu primeiro sucesso aconteceu em 2004 quando, na peça Surto, apresentou a personagem que marcaria sua carreira, Dona Hermínia. No ano seguinte, após se formar na CAL, passou a integrar o elenco de Infraturas, mas o grande reconhecimento de público veio em 2006 com o espetáculo Minha Mãe é uma Peça, que rendeu três adaptações para o cinema (2013, 2016 e 2019), que conquistaram enorme bilheteria.

Dona Hermínia surgiu como uma brincadeira, quando ele imitava a própria mãe e os colegas morriam de rir. Trata-se de uma típica dona de casa que, sempre à beira de um ataque de nervos, toma as atitudes mais engraçadas. Além de inspirar a peça, tornou-se um dos personagens fixos do programa de TV 220 Volts, no canal Multishow.

Não foi fácil transpor de uma mídia para outra e ainda preservar o sucesso. A mãe da peça era diferente em relação à que aparece na tela. "Mudamos tudo, a maquiagem, o gestual, até essa coisa de o ex-marido e os filhos aparecerem, o que não se dá nem na peça nem na TV. É outra coisa, realmente", contou Paulo Gustavo ao Estadão, em 2013.

Paulo Gustavo dizia que devia tudo à mãe, às tias. "Meu avô dizia que, por baixo daqueles vestidos, elas eram todas homens", comentou, com uma risada escandalosa.

A transformação do teatro para o cinema, aliás, foi uma decisão pessoal. "No filme Divã, eu era ator contratado. Fiquei de bico calado. Fazia o cabeleireiro da personagem de Lília Cabral. Aqui, a personagem é minha, o filme é meu. Palpitei em tudo. O roteiro é do Fil Braz e meu. Mas o André (Pellenz, diretor) sabe tudo de cinema. Essa coisa do ritmo, da edição, tudo o que se refere ao visual, ao cenário, André é fera."

Voltando à sua trajetória, Paulo Gustavo protagonizou outra peça em 2010, Hiperativo, dirigido por Fernando Caruso - o título descrevia bem sua personalidade. No ano seguinte, assumiu a apresentação do programa 220 Volts e, em junho de 2013, ainda no Multishow, estreou o sitcom Vai que Cola, que também ganhou uma adaptação para o cinema, em 2015.

Mas o estrondoso sucesso de Minha Mãe é uma Peça nas telonas o convenceu a voltar para uma terceira parte - e o público comprovou que não estava cansado da personagem. Na época do lançamento, Paulo Gustavo disse ao Estadão que gostaria de atingir um público maior com Minha Mãe 3. "Não me importo de fazer mais, nem temo a concorrência. Já enfrentamos Star Wars no passado e Frozen. Qual era o Star Wars? Ah, sei lá. Nossos números são grandes, mas deveria haver reserva de mercado para a produção nacional. Os filmes grandes atraem público e as pessoas sabem que vão se divertir com D. Hermínia. Mas há filmes menores que também têm de ter espaço. O público precisa se conscientizar disso, o mercado também."

Naquela terceira parte, agora dirigida por Susana Garcia, D. Hermínia vai morar sozinha, já que a filha está grávida e o filho vai se casar. Ela também encara a volta do ex-marido (Herson Capri). "Dá para imaginar muitas tramas para manter a D. Hermínia ocupada no ar", afirmou Gustavo.

Com informações de estadão Conteúdo.

Postar um comentário

0 Comentários