Pesquisa aponta aumento de 53% de brasileiros com anticorpos de Covid-19 - Alô Brasília

Últimas

sábado, 13 de junho de 2020

Pesquisa aponta aumento de 53% de brasileiros com anticorpos de Covid-19

Pesquisa aponta aumento de 53% de brasileiros com anticorpos de Covid-19


A segunda fase do EPICOVID19-BR, estudo coordenado pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas, indicou aumento de 53% da população brasileira com anticorpos do novo coronavírus.

A pesquisa foi realizada entre os dias 04 e 07 de junho em 133 cidades espalhadas por todos os estados do Brasil, e os pesquisadores concluíram 31.165 entrevistas e testes para o coronavírus. Em 120 cidades, incluindo 26 das 27 capitais (com exceção de Curitiba), foi possível testar pelo menos 200 pessoas, todas selecionadas por sorteio.

Na fase 1 da pesquisa, realizada entre os dias 14 e 21 de maio, foram entrevistadas e testadas 25.025 pessoas, sendo que em 90 cidades foi possível testar 200 ou mais participantes. 

Levando em consideração 83 municípios em que foram entrevistados e testados 200 ou mais indivíduos nas duas fases da pesquisa, foi possível observar um aumento de 50% na produção de anticorpos. Nessas cidades, a proporção aumentou de 1,7% na fase 1 para 2,6% na fase 2 (podendo variar de 1,5% a 1,8% na fase 1 e de 2,4% a 2,8% na fase 2, segundo a margem de erro da pesquisa).

Os pesquisadores afirmaram que os resultados são inéditos em estudos similares, e o crescimento de 53% foi "estatisticamente significativo". Na Espanha, por exemplo, um estudo semelhante indicou aumento de apenas 4% entre as duas etapas da pesquisa.

“Esse avanço metodológico talvez seja o grande destaque da segunda fase da pesquisa. Com um maior número de entrevistas realizadas e de cidades incluídas nas análises, aumenta a nossa capacidade, enquanto epidemiologistas, de interpretar os dados sobre coronavírus no Brasil”, disse Pedro Curi Hallal, coordenador geral do estudo.

A proporção estimada de pessoas com anticorpos nas 120 cidades que alcançaram 200 ou mais entrevistas na fase 2 foi de 2,8%, podendo variar de 2,6% para 3,0%. O total destes municípios corresponde a 32,7% da população brasileira, totalizando 68,6 milhões de pessoas, entre as quais, 1,9 milhão (margem de erro de 1,7 a 2,1 milhões) estão ou já estiveram infectadas. Vale ressaltar que os dados já levam em consideração a taxa de falsos positivos e falsos negativos do teste rápido utilizado.

Os pesquisadores atentam para o fato de que os resultados não devem ser extrapolados para todo o país nem usados para estimar o número absoluto de casos no Brasil, pois eles são provenientes de cidades populosas, com circulação intensa de pessoas e que concentram serviços de saúde. O número deve variar em cidades pequenas e áreas rurais. No entanto, a pesquisa mostra que o número de pessoas com anticorpos no país já está na casa dos milhões.

O recorte da pesquisa selecionou a cidade mais populosa de cada uma das 133 sub-regiões (ou regiões intermediárias) nas quais o IBGE divide o país. Ou seja, elas equivalem aos 133 maiores centros urbanos do Brasil e, por esse motivo, os resultados não podem ser extrapolados para todo o país, pois a dinâmica da pandemia pode variar entre municípios pequenos e áreas rurais. No entanto, o estudo mostra que o número de brasileiros com anticorpos já está na casa dos milhões.

Diferença por regiões

O estudo mostrou disparidade entre as regiões do Brasil. As 15 cidades com maiores prevalências de pessoas com anticorpos incluem 12 da região Norte e 3 do Nordeste (Imperatriz, Fortaleza e Maceió). No Sul, nenhuma cidade apresentou prevalência superior a 0,5%, enquanto na região Centro-Oeste apenas três cidades superaram a marca (Brasília, Cuiabá e Luziânia). Segundo os pesquisadores, o resultado confirmou que a Região Norte tem o cenário epidemiológico mais preocupante do país, algo já constatado na primeira fase da pesquisa.

As capitais brasileiras também apresentaram diferenças marcantes. Em Boa Vista, capital de Roraima, a proporção de pessoas que têm ou já teve coronavírus foi estimada em 25%, o que significa que um em cada quatro habitantes da cidade está ou já esteve infectado. Entre 26 das 27 capitais, somente seis apresentaram taxas superiores a 10%. São elas Boa Vista (RR), Belém (PA), Fortaleza (CE), Macapá (AP), Manaus (AM) e Maceió (AL). Já entre as 10 com percentuais mais altos da população com anticorpos, 4 são da Região Norte, 5 são da região Nordeste e 1 da região Sudeste.

No Rio de Janeiro, segunda cidade mais populosa do Brasil, com 6,7 milhões de habitantes, 7,5% da população possui anticorpos, segundo dados da segunda fase do estudo. Isso indica que cerca de 503 mil pessoas têm ou já tiveram o coronavírus no município.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alô Goiás

Blog do PAULO MELO

Alô Brasília

Melhores da semana

Destaque

Redução de salário e suspensão de contratos deve ser prorrogado

Programa de redução de salário e suspensão de contratos deve ser prorrogado A preocupação com uma nova onda de demissões com o fim do progra...

Campanha contra a Dengue