Câmara discute redução de despesas com privatização de plano de saúde - Alô Brasília

Últimas

sábado, 23 de maio de 2020

Câmara discute redução de despesas com privatização de plano de saúde

A proposta de privatização no Fundo de Assistência à Saúde da CLDF prevê redução de despesas e será discutida com a sociedade, servidores e órgãos de controle.


A Câmara Legislativa do Distrito Federal votará, na próxima terça-feira (26), contra a possibilidade de ex-deputados voltarem a fazer parte do Fascal, o fundo de assistência à saúde da Casa. A medida foi anunciada pela Mesa Diretora da CLDF durante entrevista coletiva à imprensa, realizada na tarde desta sexta-feira (22), na qual também foi informado que será apresentado um plano de privatização de parte do Fascal. Segundo a proposta, apenas os servidores concursados continuariam a ter parte do benefício custeada pelo Legislativo local.

Na abertura da conferência de imprensa, o presidente da CLDF, deputado Rafael Prudente (MDB) fez um balanço das ações empreendidas até aqui com vistas a "tornar a gestão da Casa mais eficiente" e listou uma série de resultados positivos, que incluem redução de custos em várias áreas, permitindo a devolução de recursos aos cofres públicos. O parlamentar destacou a "transparência" que tem apoiado os atos da Mesa Diretora.

Sobre o Fascal, lembrou que a discussão vem sendo feita há meses. "O custo atual do plano de saúde para a Casa é de cerca de R$ 40 milhões anuais e as mensalidades não chegam a R$ 20 milhões no mesmo período. Há um déficit e não é justo a população pagar essa conta", afirmou. Sobre a retirada dos ex-deputados da proposta, Prudente comentou que houve um equívoco na compreensão de parte da opinião pública e, por esse motivo, será feita a revisão da emenda incluída no projeto de resolução nº 40, aprovado na sessão ordinária de quarta-feira passada (20), que abria essa possibilidade.

Privatização – Titular da vice-presidência da CLDF, órgão responsável pela supervisão do Fascal, o deputado Delmasso (Republicanos) explicou, sobre esse ponto, que a inclusão dos ex-deputados somente seria possível na parte do plano que será privatizada, de acordo com a proposta que vem sendo discutida pela Mesa Diretora. A ideia inicial é manter o subsídio sobre as mensalidades dos servidores efetivos e privatizar o plano para os deputados em exercício, servidores comissionados e ex-servidores não efetivos, que ainda podem permanecer no plano por um período após deixar a Casa e, ainda, servidores efetivos aposentados.

Delmasso também explicou que a aprovação da Resolução nº 40 possibilitará essa decisão, "ao permitir a modernização da gestão do Fascal". O distrital também chamou a atenção para ações que estão reduzindo o déficit. "Ao longo de 2019, a Câmara Legislativa não precisou tirar recursos dos cofres públicos para cobrir o rombo do plano. Foi a primeira vez que registrou superávit, graças a medidas como uma negociação dos custos com hospitais e clínicas", observou.

O parlamentar também frisou que, no momento, está em curso um levantamento atuarial, cálculo que vai permitir uma maior precisão dos gastos com o benefício. "Após essa etapa, o plano de privatização será discutido, inclusive em audiências públicas, com a sociedade, servidores e órgãos de controle", acrescentou. Delmasso também ratificou que o objetivo da proposta é "não onerar o Estado". "Os recursos que cobrem o déficit vêm dos impostos. Portanto é a população que paga", declarou o vice-presidente da CLDF.

Além de Prudente e Delmasso, também participaram da coletiva os deputados Iolando (PSC), primeiro secretário da Mesa Diretora; Robério Negreiros (PSD), segundo secretário, e Jaqueline Silva (PTB), suplente da Terceira Secretaria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blog do Poliglota

Alô Goiás

Blog do PAULO MELO

Alô Brasília

Coluna do PM

Blog do Aderivaldo Cardoso

BLOG DO HALK

Melhores da semana

Destaque

Resolução permite suspender pagamento do Fies

MEC publica resolução que permite suspender pagamento de parcela do Fies Contratos vigentes poderão ter até quatro parcelas suspensas durant...