Delmasso quer ouvir professor que propôs redação sobre “boquete” - Alô Brasília

Últimas

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Delmasso quer ouvir professor que propôs redação sobre “boquete”

Requerimento para docente ser convocado foi proposto pelo deputado Rodrigo Delmasso, membro da Comissão de Educação, Saúde e Cultura

O deputado distrital Rodrigo Delmasso (Republicanos) protocolou, nesta terça-feira (19/11/2019), um requerimento para convocar o professor temporário de português que pediu uma redação sobre sexo oral e anal a alunos do sexto ano do Centro de Ensino Fundamental da 104 Norte. O objetivo é fazer com que o docente Wendel Santana, 25 anos, preste esclarecimentos sobre a conduta à Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC) da Câmara Legislativa do DF (CLDF).

Conforme o Metrópoles revelou, o caso veio à tona depois que alunos denunciaram os conteúdos escritos na lousa. O professor demandava a tarefa de fazer uma redação improvisada sobre “polidez e transformações afetivo-sexuais na adolescência (pós-infância). Sexo oral e penetração”. Para a temática, o docente detalhou sugestões de palavras a serem usadas, tais como “boquete”, “69”, “fio terra”, “punheta” e “dar o cu”.








Para que Wendel seja ouvido na Câmara, o requerimento ainda precisa ser aprovado pelos demais membros da Comissão de Educação. Como parlamentar, Delmasso afirmou que irá pedir a interrupção do contrato com a Secretaria de Educação e que Wendel fique impedido de ser chamado para novo posto temporário pela pasta nos próximos 5 anos.

“É inadmissível uma conduta dessa. Farei o possível para que as punições administrativas cumpram o rigor necessário e acompanharei o desdobramento no âmbito criminal”, acrescentou Delmasso.
Repercussão

A Promotoria de Justiça de Defesa da Educação (Proeduc), do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), também investigará as denúncias apresentadas contra o professor, que foi afastado depois que o caso foi revelado pelo Metrópoles.

Com a repercussão, a polêmica virou caso de polícia e é investigada pela 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte), unidade que recebeu denúncias de pais de alunos do CEF 104. Na esfera criminal, o caso está inserido no artigo 232 do Estatuto da Criança e do Adolescente (DCA), que consiste em submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento. A pena prevista é detenção de seis meses a dois anos.

A Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino do Distrito Federal (Aspa-DF) também divulgou uma nota de repúdio, classificando a ação como “nefasta” e afirmando que não tolerará “a erotização e sexualização precoce de crianças em sala de aula”. Pediu, ainda, a “aplicação da lei com a consequente punição” do docente.

O Metrópoles procurou o professor Wendel Santana para ouvir sua versão sobre o episódio, mas ele não respondeu aos questionamentos da reportagem.

Fonte: Metrópoles.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alô Goiás

Blog do PAULO MELO

Alô Brasília

Melhores da semana

Destaque

Rede Comper de Supermercados entrega 3 veículos HB20 da promoção Natal dos Sonhos

Três moradores do Distrito Federal sorteados com veículos HB20 Sedan zero quilômetro, receberam seus prêmios esta semana na sede da loja Com...

Campanha contra a Dengue