Fim do lockdown depende de queda na transmissão do vírus

Reabertura de atividades condicionada à queda na transmissão do vírus

Em reunião com secretariado e representantes do setor produtivo, governador anunciou leitos e prometeu reabrir atividades caso contaminações diminuam


O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, se reuniu nesta segunda-feira (1º) com secretários do governo e representantes de entidades ligadas ao setor produtivo para tratar de soluções no enfrentamento ao coronavírus (Covid-19). O chefe do Executivo local afirmou que com a diminuição da taxa de transmissibilidade da doença será possível flexibilizar a abertura de atividades, como escolas e academias.

O DF enfrenta um aumento de casos da doença, o que provocou a adoção de medidas restritivas, como o fechamento de parte do comércio e demais atividades por um período de 15 dias. A intenção do governo é não ultrapassar este prazo e até flexibilizá-lo para parte das atividades caso o índice de transmissão no DF sofra uma queda.

Parte da solução para a retomada segura e responsável das atividades econômicas foi anunciada pelo governador Ibaneis Rocha na reunião: a abertura de 130 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ainda nesta semana.

Ibaneis complementou que outros 200 leitos serão disponibilizados junto ao Ministério da Saúde nos próximos dias. O GDF também negocia a contratação junto à rede privada para a abertura de 150 a 200 leitos.

“A culpa não é de nenhum dos setores, mas se não interrompemos o fluxo de pessoas não conseguimos diminuir o índice de transmissibilidade da doença no DF. Quando retomarmos as condições de saúde e atendimento à população, com novos leitos de UTI, nós iremos retomar as atividades aos poucos. Não vou deixar a população morrer sem atendimento”, assegurou o governador Ibaneis Rocha.

Quando retomarmos as condições de saúde e atendimento à população, com novos leitos de UTI, nós iremos retomar as atividades aos poucos. Não vou deixar a população morrer sem atendimento”, assegurou o governador Ibaneis Rocha.

Aos presentes, o chefe do Executivo local enumerou ações do governo e citou os hospitais de campanha abertos no DF, como o do Mané Garrincha – já encerrado -, e os da Polícia Militar e de Ceilândia, em funcionamento. Lembrou também que, em 2020, a rede pública de saúde interrompeu temporariamente as cirurgias eletivas para concentrar os esforços justamente no combate à Covid-19.

“Sei do sofrimento dos trabalhadores de todos os setores, da dificuldade pelo qual eles passam. Nós vamos retomar as atividades no menor prazo possível e por isso nós colocamos toda a nossa força de trabalho para encontrar as soluções”, acrescentou Ibaneis Rocha.

Os representados dos segmentos da indústria, hotelaria, de comércio, academia, bares e restaurantes pontuaram as dificuldades enfrentadas e pediram a reabertura das atividades, o que será atendido pelo governo quando houver segurança para tal.

Presidente da Federação das Indústrias do DF (Fibra/DF), Jamal Bittar elogiou as medidas adotadas pelo governo local no combate à Covid-19 e se colocou à disposição para ajudar neste momento difícil. “Confiamos nas ações do governo e temos visto esse trabalho, pois o governador tem nos atendido. A indústria tem sentido equilíbrio nas ações de governo”, aponta.

Superintendente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/DF), Valdir Oliveira pediu paciência aos diversos segmentos da economia. “Agora é um momento de serenidade e precisamos transmitir isso. Não adianta aquecer o debate porque não ajuda ninguém”, comentou.

Postar um comentário

0 Comentários