Brasil está na corrida para produzir a vacina contra a Covid-19 - Alô Brasília

Últimas

sábado, 6 de junho de 2020

Brasil está na corrida para produzir a vacina contra a Covid-19

Brasil negocia chance de se tornar um dosprodutores da vacina contra Covid-19


O Brasil está em negociações para se tornar um dos produtores mundiais da vacina contra o novo coronavírus, que está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com a AstraZeneca. 

A produção brasileira abasteceria toda a América Latina. O acordo do governo com a iniciativa privada colocaria o país na dianteira, em um momento no qual corria o risco de ficar no fim da fila da vacina.

A AstraZeneca anunciou nessa semana que já fechou acordos internacionais para a produção de 1,7 bilhão de doses e segue em busca de novos parceiros. As parcerias já firmadas são com o Reino Unido, os Estados Unidos, a CEPI (Coallition for Epidemic Preparedness Innovations), a Aliança de Vacinas (Gavi) e o Instituto Serum, da Índia. 

Mas ainda há uma capacidade adicional de produção de 300 milhões de doses para alcançar o objetivo de partir de 2 bilhões de doses. Para além dessa meta inicial, o foco é continuar em busca de parceiros.

"Já há negociações com diferentes governos de diferentes países, entre eles o Brasil", afirmou a infectologista brasileira Sue Ann Clemens, diretora da Iniciativa Global de Saúde da Universidade de Siena e pesquisadora da Unifesp, que está coordenando os centros de testagem da vacina no Brasil. "Essa é uma oportunidade muito grande para o nosso país não só no campo da pesquisa clínica, mas também na produção de imunizantes."

Para ela, tanto o Instituto Butantã, em São Paulo, quanto a Fiocruz, no Rio de Janeiro, têm plena capacidade e reconhecimento internacional para produzir as vacinas necessárias não só para o Brasil como para toda a América Latina. A grande vantagem de se ter uma produção local, segundo Clemens, para além da transferência de tecnologia, seria o acesso mais fácil e mais rápido ao imunizante. 

"Até meados do ano que vem já teríamos a vacina pronta para ser aplicada", afirmou a infectologista, que também é consultora da Fundação Bill e Melinda Gates para imunizantes.

O Brasil corria o risco de ser um dos últimos a ter acesso à vacina contra o novo coronavírus. As decisões polêmicas do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a hidroxicloroquina e as medidas de isolamento, assim como as trocas dos ministros da Saúde, fizeram com que o país sequer fosse convidado para o lançamento da "Colaboração Global para Acelerar o Desenvolvimento, Produção e Acesso Equitativo a diagnósticos, tratamento e vacina contra o Covid-19", no fim de abril, na Organização Mundial de Saúde (OMS).

O acordo privado pode alterar essa circunstância. Segundo Sue Ann Clemens, ao Brasil também foi oferecida a primazia na compra de doses da vacina.

"Essa foi uma das primeiras perguntas que eu fiz para o Andrew [Pollard, que coordena o desenvolvimento da vacina de Oxford], quando ele me ligou, pedindo que fizesse a ponte para fazermos testes no Brasil: se teríamos acesso prioritário", contou Clemens. 

"Ele respondeu que isso estava em discussão, mas que a capacidade de produção deles era limitada. Depois disso, no entanto, eles firmaram o acordo com a AstraZeneca, ampliando a capacidade de produção. Sei que o Brasil já tem em mãos uma ordem de compra e que foi um dos primeiros países abordados para a possibilidade de produção local."

Das mais de 100 vacinas contra a Covid-19 em desenvolvimento hoje no mundo, a de Oxford é a que está na fase mais avançada das testagens, a terceira, que vai aferir a eficácia do imunizante em pelo menos 10 mil pessoas. A meta dos pesquisadores é conseguir antes do fim deste ano um registro provisório da vacina e um sinal verde dos órgãos reguladores para seu uso em caráter emergencial. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alô Goiás

Blog do PAULO MELO

Alô Brasília

Melhores da semana

Destaque

Telescópio da Nasa detecta OVNIs na órbita da terra

Nasa detecta 150 ‘objetos voadores não identificados’ na órbita terrestre Uma câmera instalada na Estação Espacial Internacional (ISS, na si...

Campanha contra a Dengue